<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1298863600466566&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

“O céu é o limite para nós”, diz Renata Gil sobre as inovações no Direito

por Matheus Godois, em 20/08/2020 19:57:42

Magistrada participou de live do Instituto New Law sobre a tecnologia e a Justiça Brasileira.

O Instituto New Law, empresa de pós-graduação online em Direito, vanguardista na aplicação de metodologias de Ensino inovadoras, em parceria com a Escola Nacional da Magistratura (ENM) e a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), realizou, nesta quinta-feira (19), webinar sobre a tecnologia e a Justiça Brasileira. Renata Gil, presidente da AMB, ressaltou a característica visionária da New Law, bem como de muitos juízes brasileiros, mediante os milhões de processos que não poderiam ficar parados, durante a pandemia.

"Os juízes são muito criativos. Alguns começaram a fazer audiência inclusive pelo WhatsApp. E houve um combinado e assentimento dos advogados e das partes, tudo documentado com um termo de conferência, declarando que estavam cientes de que essa forma não geraria a nulidade do processo, e isso funcionou e tem funcionado especialmente para juizados," destacou.

O evento abordou o caso das audiências virtuais. Em pauta, os caminhos do Judiciário diante da tecnologia: “para onde apontam?”. A reflexão foi levantada por Erik Navarro, juiz federal e coordenador do New Law. A presidente da AMB relembrou ainda ter sido uma das primeiras a realizar audiências virtuais no seu estado, há 10 anos. Na época, o Brasil não discutia digitalização dos processos. Para ela, a praticidade da tecnologia foi acatada pela maioria dos juízes brasileiros.

A magistrada também lembrou que, só durante a pandemia, aproximadamente 10 milhões de sentenças foram proferidas. A campanha #AJustiçaNãoPara continua e é um sucesso. "O céu é o limite pra gente. Eu não sei qual tecnologia usaremos, mas não acho que, nós, juízes ficaremos limitados a uma só plataforma," destacou a presidente da AMB. Renata Gil também ressaltou que está em contato com empresas de tecnologia para juntos, planejarem estratégias e ações para o Ensino e o Poder Judiciário.”, afirmou Renata Gil.

Quando indagada sobre o futuro, Renata advertiu: “O futuro é tecnológico, mas não podemos abrir mão das audiências que necessitam ser presenciais. O trabalho do juiz é um trabalho de caráter humano, é preciso, em alguns casos, estar diante das partes.” A afirmação chamou a atenção dos demais colegas como a do conselheiro do CNJ, Henrique Ávila, reiterando obter o mesmo posicionamento quanto ao Direito do futuro.

Tópicos:direitotecDestaquesLaboratórios de InovaçãoEscolaFórum sobre Direito e TecnologiaAMB - APPENM - APPENM-AMB

Comentários

Sobre essa página

Este é o local oficial de divulgação de informações e publicações da Escola Nacional da Magistratura. Inscreva-se abaixo e faça parte deste grupo exclusivo.

Mais...

Faça parte. Inscreva-se e receba em seu email.